Voltar

Momento é de esperança, diz Michel Temer sobre modernização trabalhista

13.07.2017

Em artigo publicado no jornal O Estado de São Paulo nesta quinta-feira (13), o presidente da República, Michel Temer, destacou os principais pontos da modernização trabalhista e afirmou que o momento é de “renovada esperança para os brasileiros”. Segundo Temer, os efeitos benéficos das alterações “serão visíveis muito em breve”.

No texto, o presidente explica que, sem as mudanças na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), em vigor há mais de 70 anos, os trabalhadores continuariam a ter poucas opções de novas carreiras ou consolidação profissional. “Com a modernização, o tempo em que os trabalhadores eram empurrados para os ‘bicos’ e o improdutivo litígio entre patrões e empregados imperava começará a ser deixado para trás”, disse.

Temer citou alguns exemplos para mostrar os benefícios que a modernização garante aos trabalhadores, como para o garçom que trabalha nos fins de semana e a partir de agora terá direitos assegurados em lei; ou o jovem que trabalha em casa pelo computador. O presidente ainda ressaltou que as novas regras visam a promover a igualdade de gênero no mercado de trabalho. “A nova lei ainda traz um grande avanço, negligenciado pelos que me antecederam: a empresa que pagar salários diferentes para homens e mulheres que exerçam a mesma função será punida”, destacou.

O consenso para aprovação da lei no Congresso e o diálogo mantido entre o governo e os representantes dos trabalhadores foi destacado no texto. Em 2016, o Ministério do Trabalho realizou várias rodadas de debates com centenas de trabalhadores e empresários. Quando a medida chegou ao Congresso, ela foi novamente estudada, ampliada e aperfeiçoada. “O governo não conquistou isso sozinho”, afirmou.

De acordo com Temer, o esforço para modernizar as leis do trabalho se integra a um conjunto de outras medidas governamentais para a retomada do crescimento da economia, como o controle da inflação, a regularização fundiária, urbana e rural, e permissão para o comércio dar descontos a quem paga à vista.

Confira a íntegra do artigo

FONTE: Portal Planalto