Valor Econômico

Temer demonstra força no Congresso

04.01.2017

A despeito das fragilidades do presidente Michel Temer e da turbulenta agenda política de 2016 -com a combinação de impeachment, Lava-Jato, afastamento e prisão do presidente da Câmara e disputa de poder com o Judiciário- o Congresso Nacional estabeleceu um ritmo acelerado de aprovação de matérias de interesse do governo.

Valor Econômico

O paradoxo do pessimismo

22.12.2016

A sustentabilidade fiscal é pré-requisito não apenas para o crescimento econômico, mas também para políticas sociais eficazes e duradouras. Ao invés de ficar lutando contra a responsabilidade fiscal, a esquerda deveria estar preocupada com a incidência distributiva dos impostos e gastos públicos, com a regulação da concorrência para coibir práticas monopolistas que aumentam a concentração de poder e riqueza e com o combate à corrupção.
Não tenho receio em afirmar que a PEC do teto é provavelmente uma das três mais importantes iniciativas de política econômica dos últimos cinquenta anos. As outras duas? A reforma monetária do Plano Real e a criação do Copom, que instituiu de fato a independência operacional do Banco Central.

Folha de São Paulo

Sem ilusões nem atalhos

21.12.2016

Com a mudança de governo, o país voltou a ter a esperança de um futuro melhor. Mas com a esperança não deve retornar a ilusão de que os problemas serão resolvidos rapidamente, como se existisse mágica capaz de gerar de forma instantânea o crescimento e os empregos perdidos.
Nossos problemas são estruturais e muito sérios. As soluções requerem tempo e também inteligência e capacidade de comunicação. Liderar o país neste momento é uma tarefa árdua e por vezes impopular, mas intransferível e inadiável. A população sofre e tem pressa. E a ela os dirigentes devem, sempre, prestar contas.

Estadão

Saída contra a corrupção é aplicar as leis de mercado, diz empresário

19.12.2016

Tudo bem que as medidas econômicas anunciadas semana passada pelo presidente Michel Temer não vão fazer o Brasil retomar o crescimento de imediato. Mas elas vieram na direção certa, e, segundo Flávio Rocha, da Riachuelo, contemplaram duas bandeiras históricas do varejo. “A redução de prazo de pagamento do cartão de crédito e o cadastro positivo, que inverteu o ônus da prova: só quem não quiser participar tem que se manifestar”, comemora Rocha.

Estadão

Um pacote de modernização

17.12.2016

Foi uma boa surpresa o pacote de Natal preparado pelo governo do presidente Michel Temer. As medidas de fortalecimento econômico são mais amplas do que permitiam prever as declarações oficiais nos dias anteriores. Se implementadas corretamente, ninguém poderá classificá-las como lembrancinhas de fim de ano. Sem mágica e sem sangrar um Tesouro já muito enfraquecido, produzirão efeitos limitados a curto prazo, mas nem por isso desprezíveis. Antes de estimular o aumento de gastos, darão fôlego a agentes encalacrados em problemas financeiros. Tirar do sufoco devedores de tributos deverá ser um de seus principais efeitos nos próximos meses. As facilidades valerão para empresas e para pessoas físicas. Além disso, será oferecido refinanciamento a clientes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Pode-se prever, se der tudo certo, um início de recuperação num ambiente mais saudável.