Voltar

Mercado de trabalho dá sinais de estabilização

Valor Econômico

03.07.2017

A redução do desemprego de 13,6% para 13,3% entre abril e maio interrompeu uma sequência de 35 meses de alta da taxa na série dessazonalizada, diz o economista Alberto Ramos, do Goldman Sachs. Por essa medida, a diminuição foi de 13,2% para 13%. Para ele, o resultado da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua mostra que o mercado de trabalho dá “sinais antecipados de estabilização”.

Ramos ressalva que, diante do desempenho fraco da economia, que não dá sinais de que atingirá no curto prazo o nível mínimo de crescimento para absorver a expansão natural da força de trabalho, em média de 1,2% ao ano, o mercado de trabalho deve continuar distendido, sem uma geração de vagas mais expressiva.

A expectativa é que a estabilização continue neste segundo semestre e que uma recuperação se inicie no fim do ano. O risco no cenário, diz o economista, é a crise política, que, à medida que aumenta a incerteza, pode ter impacto negativo sobre a economia e sobre as contratações.

A boa notícia, ele acrescenta, é que os salários reais continuam avançando, na esteira da desaceleração da inflação. No trimestre até maio, a alta foi de 2,3% sobre o mesmo período do ano passado.

A queda da taxa de desemprego ocorreu mesmo diante de uma maior procura por emprego. O volume de novos empregos avançou 0,5%, enquanto a força de trabalho cresceu 0,2%. “A melhora da taxa de desocupação decorre de genuíno aumento da população ocupada. Bom sinal para a recuperação da atividade econômica”, destaca a equipe da consultoria Rosenberg Associados.